Carregando...

Notícias > Hemerson

HISTÓRIAS DA BOLA | 30/01/2017 às 10:44:44

Ex-atacante da base do Atibaia supera depressão para atuar ao lado de ídolos

Hemerson decidiu abandonar a carreira aos 18 anos após eliminação do Falcão na Copa São Paulo, mas um convite do América-RJ e o apoio de familiares mudou seu destino

De acordo com uma nova pesquisa realizada pela Federação Internacional dos Futebolistas Profissionais (FIFPro), que corresponde ao sindicato mundial dos atletas, até nove jogadores de futebol em um pelotão de 25 podem apresentar sintomas de transtornos mentais comuns tais como angústia, ansiedade ou depressão durante uma temporada.

Foi o que aconteceu com o jovem atacante Hemerson, agora com 19 anos, revelado nas categorias de base do Atibaia e que disputou duas copinhas pelo clube. Na última delas, em 2016, a eliminação precoce caiu sobre os ombros do camisa 9, considerado na época a esperança de gols da equipe.

Após a eliminação, Hemerson sentiu o baque. Triste e sem vontade de voltar aos gramados, decidiu parar. Começou a procurar emprego e estava pronto para iniciar um novo projeto de vida. Foi então que amigos, familiares e até o pastor da igreja que frequenta entraram em ação.  Um convite do atual empresário para atuar no América do Rio era o que os mais próximos precisavam para recolocar a carreira do atacante de Francisco Morato nos eixos.

E ele precisou apenas de uma chance. Ao chegar no sub-20 do América-RJ, Hemerson se destacou. Marcou gols importantes no estadual e acabou chamando a atenção da comissão técnica da equipe principal. Como num passe de mágica, daqueles que só o mundo da bola pode dar, o jovem promissor que procurava emprego fora das quatro linhas agora seria promovido para o time profissional do tradicional clube carioca.

CONFIRA A ENTREVISTA

Soccer Digital: Você se destacou na base do Atibaia, mas após a Copa São Paulo de 2016 decidiu parar. Por que tomou essa decisão?

Hemerson: Depois que joguei a Copa São Paulo em 2016 fiquei chateado porque não aproveitei a oportunidade e não representei a responsabilidade que colocaram sobre mim. Depois daquela Copa São Paulo, eu estava decidido a parar de jogar futebol. Conversei com os meus pais que eu queria parar, com a minha irmã, com a minha namorada, porque queria dar um fim. Depois de quatro anos no Atibaia era hora de começar vida nova.

Soccer Digital: E como surgiu o América?

Hemerson: Meu empresário falou que aqui no Rio de Janeiro estavam precisando de centroavante no América, no sub20. Quando ele me ligou eu não queria vir, ai falei com minha família novamente e eles me deram um conselho para ir, que se fosse ruim eu voltaria. Acabei aceitando o convite e graças a Deus tive a oportunidade de conhecer pessoas maravilhosas aqui. Gostei do ambiente, do clube e da grandeza do América.

Soccer Digital: E como foi a adaptação ao novo clube?

Hemerson: Comecei a treinar e depois de uma semana e meia  já estava como titular. Depois de três jogos já fiz meu primeiro gol, contra o Bom Sucesso, depois marquei também contra o Volta Redonda e contra o Tigres. Vivi momentos maravilhosos aqui no inicio do segundo turno, quando marquei três gols contra o Cabofriense. Depois, passei um momento difícil quando perdi o pênalti contra o Vasco em São Januário. No jogo contra o Bangu, machuquei o tornozelo e mesmo assim continuei jogando. Joguei mais três jogos machucado e depois teve um jogo contra o Fluminense que eu fiz um gol, mas sofri uma pancada e a lesão se agravou. Na partida seguinte tentei jogar, mas não consegui e sai no fim do primeiro tempo.

Soccer Digital: A lesão acabou se agravando?

Hemerson: Agravou. Depois disso passei um dos piores momentos do futebol, mas de muito aprendizado. Fiquei três meses parado por causa do tornozelo, ficava fazendo fisioterapia e gelo em casa, fortalecimento. Nesse momento em que eu estava machucado muitas pessoas me ajudaram, minha família me ajudou bastante, meu empresário e os meninos que moram no alojamento. Logo depois que voltei em agosto, fui integrado à equipe profissional do América com novas experiências.

Soccer Digital: Então mais uma vez você superou as dificuldades e voltou por cima?

Hemerson: Isso mesmo, graças a Deus. De quase fora do futebol ao time profissional do América. Aprendi muita coisa, conheci jogadores que eu só vi pela televisão, o Fabio Braz, o Wagner Diniz e o Jean (atacante), que jogou no Flamengo, no Vasco e no Fluminense. Foi muito importante essa ida para o profissional, amadureci bastante, assinei meu primeiro contrato profissional com o América e foi muito gratificante poder ter estreado contra o Angra dos Reis.  Depois, joguei mais um jogo também contra o Bangu, então foi um ano muito gratificante, de muita experiência, de um cara que estava prestes a parar de jogar futebol e que acabou terminando o ano na equipe profissional do América. Tive momentos muito difíceis, mas graças a Deus que nos ajudou e nos sustentou mediante as dificuldades, das fraquezas, do desanimo, longe da família, longe de casa. Mas graças a Deus deu tudo certo.

FICHA TÉCNICA
NOME: Hemerson Nascimento dos Santos
APELIDO: Hemerson
ORIGEM: Francisco Morato-SP
NASCIMENTO: 13/04/1997
ALTURA:
POSIÇÃO: Atacante
ATUAL CLUBE: América-RJ

CLUBES

2016: América-RJ (SUB20)
2015: Sport Club Atibaia (Sub-20)
2015: Sport Club Atibaia (Taça SP)
2014: Sport Club Atibaia (sub-17 / sub-20)
2013: Sport Club Atibaia (sub-17/sub-20)
2012: Sport Club Atibaia (sub-15)
 





« voltar



HISTÓRIAS DA BOLA

Ex-atacante da base do Atibaia supera depressão para atuar ao lado de ídolos